Notícias do mundo PPL

13
Out
2020

Precisas de ajuda para a tua startup?

 

Tens uma ideia e não sabes por onde começar? Ou já criaste a tua startup ou negócio e precisas de aconselhamento? O SEEK Startup Consulting oferece serviços de apoio pró-bono. Nas palavras do SEEK:

O empreendedorismo cresce todos os dias em Portugal e no mundo, e o número de startups aumenta todos os dias a um ritmo alucinante. Sabemos que o caminho para o sucesso não é fácil, e que a taxa de sucessos nos primeiros anos de atividade é realmente baixa e por isso mesmo, criámos o SEEK.

O SEEK Startup Consulting nasceu precisamente porque, principalmente em tempos de crise como aqueles em que vivemos, é cada vez mais evidente que os pequenos negócios precisam recorrentemente de ajuda para alcançar as suas metas. O nosso objetivo, como uma iniciativa de estudantes da Nova School of Business and Economics, é explorar a indústria de forma aprofundada e fornecer serviços de consultoria pro-bono a empreendedores e startups que tenham um produto, serviço ou até uma ideia por materializar.

O SEEK oferece serviços pro-bono focados em diversos aspetos importantes tanto para uma entrada eficiente no mercado (benchmarking, crescimento e análise de concorrência) como também em aspetos relacionados com a estrutura organizacional, desenvolvimento de modelo de negócio, operações e vendas. Os nossos consultores focam-se na resolução de problemas e mantêm um relacionamento de proximidade com os nossos clientes, estabelecendo ligações e sinergias.

Para além destas principais áreas de serviço, comprometemo-nos e adaptamo-nos às necessidades específicas de cada cliente, fazendo uma avaliação interna de modo a entender se temos capacidade para corresponder com as necessidades.

Para esclarecer qualquer questão ou se quiser saber mais sobre o SEEK, contacte-nos através de seekstartupconsulting@gmail.com ou pela nossa página de Linkedin: https://www.linkedin.com/company/seek-startup-consulting

12
Out
2020

A primeira vacina do Crowdfunding?

A empresa de Biotecnologia Axon Neurosciences afirma ser uma das poucas empresas farmacêuticas independentes, ao contrário da chamada Big Pharma, um grupo de gigantes farmacêuticos que ditam as regras no que diz respeito à Saúde mundial. Após investigarem e desenvolverem uma vacina para combater a doença de Alzheimer, agora estão focados em desenvolver a primeira vacina independente contra a Covid-19. E o que é ainda mais inovador? Este será um processo financiado por crowdfunding!

O grupo farmacêutico convida todos os que queiram apoiar a campanha a tornarem-se investidores no desenvolvimento de uma vacina que, asseguram, será mais eficiente na proteção e também mais segura por não gerar uma reação imunológica desnecessária que pudesse pôr em risco a saúde da população.

O que hoje nos parece insólito, amanhã pode tornar-se a norma. Quando aumenta a desconfiança na Organização vigente, é natural que surjam associações prometendo pureza e independência. Cabe-nos hoje decidir como queremos que seja o amanhã. Através de ações tão simples como apoiar campanhas de crowdfunding, estamos a construir o nosso futuro. Decide como queres que seja, ajudando a financiar uma campanha.

07
Out
2020

Não abandones os teus apoiantes

Quando é que termina uma campanha de crowdfunding? Quando a publicamos? Quando atingimos o objetivo? Não.

Quando entregamos as recompensas aos nossos queridos apoiantes!

Sabendo que sem a sua confiança e generosidade, nada teria sido possível, esta é a oportunidade ideal para preparar algo especial. Se a recompensa é um livro, porque não escrever uma dedicatória? Se oferecemos um frasco de doce, porque não juntar um bilhetinho escrito à mão?

As recompensas são o nosso grande momento para nos destacarmos do comércio tradicional, onde dificilmente haverá um contacto tão próximo entre quem produz e quem compra. Se queres um exemplo de tudo o que podes e deves fazer nesta fase, basta-te olhar para o excelente esforço de promoção que tem feito a Margarida, autora do livro "Para Onde Vão As Meias Que Desaparecem?"

Foi difícil, deu trabalho, mas no final, o livro foi produzido e enviado aos apoiantes.

30
Set
2020

Quantas vezes devemos insistir até conseguir?

Uma boa parte do que significa promover uma campanha resume-se a estabelecer contactos e pedir que nos apoiem. Sim, “pedir” e não “perguntar” pois a necessidade é real. Quando perguntamos a alguém se gostava de nos ajudar, já perdemos parte da força necessária para a convencer. Sejamos realistas: quem não chora, não mama. E num mundo onde tudo e todos choram ao mesmo tempo em busca de algo, o mais certo é estarmos a competir com a nossa voz baixa no meio de uma barulheira tremenda. Se temos medo de incomodar, se não queremos tornar-nos repetitivos, se temos como plano de divulgação lançar a campanha e ficar parados à espera que apareçam pessoas, mais vale arrumar a cana de pesca e voltar para casa.

 

Para conseguir um só apoiante, é seguro pensar que teremos de bater à porta de dez potenciais apoiantes. Outra estimativa é que vamos ouvir sete nãos antes de ouvir um sim. Há que contar com os nãos, estar acostumado a eles, e ainda assim tentar uma e outra vez, pois a próxima pessoa poderá ser o sim que financia a nossa campanha.

Mas isto não significa que devamos insistir com a mesma pessoa até que ela ceda e nos apoie. Existe uma fina linha que devemos atravessar até conseguir que alguém nos apoie pois de ambos os lados caímos no abismo. Um dos extremos é quase não tentar, o que nos transforma em figuras transparente e rapidamente esquecíveis. Falamos uma vez e esperamos dois meses parados à espera que a pessoa venha ter connosco. Não funciona. No outro extremo temos a pessoa que insiste e repete-se e chateia tanto que, justamente por isso, cria rejeição no público e também ela não consegue um único apoiante, talvez até ao contrário, consegue pessoas que secretamente anseiam pelo falhanço da sua campanha também não funciona.

Atravessar a fina linha necessita de capacidade de observação, saber ler a situação, o outro, o momento certo. Exige também sensibilidade para tatear o caminho e perceber por onde seguir e quais barreiras é melhor contornar. Finalmente, é obrigatória uma certa iniciativa e estratégia para alcançar a vitória (o apoio) quando a oportunidade se apresenta e é necessário alcançá-la.

11
Set
2020

Equity Crowdfunding: quais as próximas tendências?

O que é o “Equity Crowdfunding”?

 

O equity crowdfunding, ou financiamento colaborativo de investimento como é formalmente conhecido em Portugal, permite às startups mais promissoras angariar capital de muitos investidores de forma rápida e conveniente. O mercado mais maduro neste sector é o Reino Unido, com plataformas como a Syndicate Room, a Crowdcube ou a Seedrs (tendo esta última ajudado a financiar várias startups portuguesas).

Os exemplos de sucesso mais conhecidos de empresas que recorreram a este tipo de crowdfunding pertencem ao sector do Fintech (Revolut e Monzo, alguém?) e das cervejarias e destilarias artesanais. A Brewdog angariou cerca de 95 milhões de dólares até à data, graças a dezenas de milhares de investidores! Surpreendente? Na realidade demonstra o poder do crowdfunding, com o qual as empresas vão buscar investidores na sua comunidade de seguidores. Várias dezenas de iniciativas nestes sectores têm aproveitado a onda para angariar financiamento.

 

 

Próximas tendências

 

Este ano, a This, uma startup inglesa que produz substitutos de frango e bacon unicamente com ingredientes vegetais, chamou a atenção dos investidores e da comunicação social ao angariar mais de 4 milhões de libras em menos de 2 dias na Seedrs. Numa altura em que estamos cada vez mais consciencializados sobre os efeitos que o consumo de carne pode ter nas alterações climáticas, são várias as empresas que trazem novos produtos ao mercado, como a Impossible ou a Beyond Meat. Esta última está em bolsa desde o ano passado nos Estados Unidos.

 

 

Outra startup que usa a sua missão de reduzir a pegada ecológica para cativar os seus utilizadores e investidores é a Yayzy. Trata-se de uma app bancária, que mede a pegada carbónica de cada compra que realizamos, ajudando-nos a quantificá-la com mais precisão e a atuar em conformidade para minimizar ou compensar o nosso impacto ambiental. Quando faltam mais de 30 dias para o final da campanha, esta startup já conseguiu angariar mais de 100% do montante que pretendiam.

 

 

Numerosas fontes confirmam que os consumidores favorecem cada vez mais produtos e serviços de empresas com missões ambientais e sociais, tornando-se frequentemente embaixadores das suas marcas preferidas. O crowdfunding permite às empresas capitalizar essa lealdade, e aos consumidores investir nas empresas em que mais acreditam, algo historicamente reservado a investidores profissionais. Será interessante assistir à próxima geração de empresas com um propósito e, porque não, investir nelas!

04
Set
2020

Promotores que crescem connosco

É um prazer poder acompanhar como a Rupy continua a crescer. Desde a campanha lançada em Outubro do ano passado para financiar a criação do site e de novos brinquedos, que muito aconteceu: Criaram o Mipy (bonequinho de madeira), cubos de cortiça, o "ovo dentro do ovo", sólidos geométricos de madeira e, claro, uma página web espetacular!

Podes visitar a loja online e acompanhar as novidades no Facebook.

A PPL é esta ferramenta incrível, que permite unir uma pessoa com uma ideia à comunidade que a irá financiar. Simples, rápido e seguro. De que estás à espera para tirar essa ideia da gaveta?

03
Abr
2020

A PPL junta-se à luta contra o Covid

 

Quando toda a sociedade civil se ergue para enfrentar a crise, quer produzindo máscaras e viseiras, quer reunindo comida, donativos, ou o quer que seja necessário para proteger os nossos heróis na linha da frente, também a PPL ocupa o seu lugar como plataforma de angariação de fundos de e para todos.

Visto que tempos excecionais exigem medidas excecionais a PPL criou um canal exclusivo para campanhas de angariação de fundos cujo objectivo seja apoiar directamente a luta contra o vírus, nomeadamente com material hospitalar, alimentação ou outra logística para os profissionais de saúde.

As campanhas deste canal estão isentas da comissão da plataforma (5% +IVA), permanecendo apenas as comissões de pagamentos, e mesmo estas foram reduzidas (2% +IVA) graças ao apoio de um dos nossos parceiros de pagamento, HiPay.

Aproveita esta oportunidade para suprir as necessidades que surgem ao teu redor. Com o apoio de todos, passaremos por esta dificuldade mais fortes e unidos que nunca.

 

Ver campanhas

22
Nov
2019

PPL alia-se ao Giving Tuesday Portugal

 

3 de Dezembro é o dia de retribuir e o GivingTuesday vem Dar para Mudar! Arregaça as mangas e vem fazer parte de uma corrente solidária, presente em todo o mundo, que te permite apoiar as causas que te são mais queridas. ​

A PPL decidiu unir-se a este movimento e isentar as campanhas do GivingTuesday da sua comissão durante uma semana (de 2 a 8 de Dezembro). Assim, as instituições terão unicamente de pagar 2,5% (+IVA) de comissão para cobrir os custos dos meios de pagamento (PayPal, MBWAY, referência Multibanco, cartão de crédito e transferências bancárias). A partir de 9 de Dezembro, a comissão sobre os apoios recebidos será a habitual taxa de 7,5% (+IVA).

Todos os apoios serão transferidos às instituições, independentemente do montante angariado.

 

Ver campanhas do Giving Tuesday

 

Não fiques de fora! Vive o GivingTuesday e faz a diferença no mundo! ​

#GIVINGTUESDAYPT #DAPARAMUDAR

07
Out
2019

PPL na revista Visão - Das startups às doenças raras e agora ao simples "ao quero"

Já não são só as pessoas com as histórias mais tristes nem com as doenças mais raras que se sentem à vontade para pedir dinheiro na internet. O crowdfunding, inicialmente usado por startups em fase de lançar um negócio, está agora disseminado. Alimenta sonhos, realiza objetivos, ajuda a concretizar desejos. Entre o “eu preciso” e o “eu quero” há todo um mundo para descobrir.

 

 

Consultem o artigo no site da Visão ou no ficheiro aqui. Boa leitura!

16
Set
2019

Humans Before Borders e a campanha Salvar Vidas Não é um Crime

O HuBB - Humans Before Borders lançou a campanha Salvar Vidas Não é um Crime no dia 7 de Junho de 2019. O objectivo da campanha era angariar fundos para a representação legal e transportes do Miguel Duarte bem como de outros membros da tripulação do Iuventa (navio em que realizavam missões de busca e salvamento no Mar Mediterrâneo). Inicialmente, tivemos receio de, ao não atingir o total do objectivo, limitar muito o montante doado. Por esta razão, decidimos fixar o objectivo inicial de 5000€ (que ficava bastante aquem do valor que seria necessário para cobrir as despesas dos Iuventa10), sabendo que em caso de sucesso poderíamos sempre aumentar este valor inicial. No final da campanha, foram angariados 54 732€.

 

No que diz respeito à divulgação, o público-alvo era de uma forma muito geral o povo português. Além dos objectivos mais directos da campanha, era também nosso objectivo sensibilizar as comunidades locais para um problema que se passa a alguns kilometros de nós, nas fronteiras da União Europeia.
A campanha teve início no mesmo dia em que houve uma audiência pública sobre o caso do Miguel e sobre a criminalização da solideriedade, organizada pela então eurodeputada Ana Gomes na sede do Parlemento Europeu em Portugal. Algumas figuras presentes comprometeram-se a divulgar a campanha. Além desta ajuda, divulgámos a campanha através das redes sociais do HuBB, que foram posteriormente partilhadas por membros e seguidores. Realizámos tambem duas sessões de cinema com o filme Iuventa, em Lisboa no cinema Monumental e no Porto no Rivoli. À medida que a campanha ia sendo promovida em redes sociais, começou a ganhar mediatismo e recebemos muitos contactos para que o Miguel desse entrevistas a variadíssimos meios de comunicação, inicialmente nacionais como é o caso do Expresso, da revista Visão, da SIC Notícias, da TVI24, etc. e posteriormente também e meios de comunicação internacionais como é o caso da Al Jazeera e da Reuters. Assim, apenas parte da divulgação foi planeada, uma vez atingida a atenção mediática, a divulgação saiu do nosso controlo.

 

O principal desafio que tivemos foi mesmo o mediatismo que a campanha atingiu e a velocidade com que o conseguimos, que eram objectivos nossos desde o início, mas sendo todos voluntários no HuBB, foi-nos difícil gerir tantos contactos, responder a todas as dúvidas, comentários, pedidos de entrevistas, etc. 

 

A melhor surpresa da campanha foi a acção política gerada pela pressão realizada através da campanha e da sua partilha por políticos, comentadores, jornalistas e associações.

 

Na nossa opinião o vídeo foi extremamente importante para o sucesso da campanha, pois consistiu num apelo directo às pessoas para esta causa. Foi-nos mais fácil chegar às pessoas através de um vídeo sincero gravado pelo próprio Miguel do que por um longo texto.

 

Em relação às recompensas, somos da opinião que não tiveram grande impacto no sucesso da campanha. Até porque, após contactar as pessoas eligíveis para recompensa, muitas disseram que não faziam de todo questão de as receber. Esta campanha chegou ao coração das pessoas e quem doou, foi por solidariedade ao Miguel e restantes membros Iuventa10, para que a própria solidariedade não se torne um crime e não para receber uma recompensa.

 

O que gosaríamos que nos tivessem dito antes de termos lançado a campanha? Talvez que nos tivessem dito que a campanha ganharia o mediatismo que ganhou em tão poucos dias, para nos podermos coordenar mais eficientemente e estarmos preparados para responder a tantos pedidos.

 

Se voltassemos atrás e pudessemos fazer algo diferente, não mudaríamos quase nada: apenas a nossa organização interna de resposta a pedidos e talvez uma página de FAQs.