Peninha: aprender com a natureza e a história

Peninha: aprender com a natureza e a história

O Santuário da Peninha, local único na Serra de Sintra, tem sido escola de formação pessoal, cultural e científica de crianças e jovens. A degradação do sistema de abastecimento...

  • 4583

    angariado

    131% de 3 500€

    91 apoiantes

  • 07/04/2014

    Terminado a

  • Financiado

    Esta campanha foi totalmente financiada

O Santuário da Peninha, local único na Serra de Sintra, tem sido escola de formação pessoal, cultural e científica de crianças e jovens. A degradação do sistema de abastecimento de água, bem como o isolamento deficitário de portas, janelas e telhados, dificulta o funcionamento das infraestruturas de apoio e, por conseguinte, destas atividades.

O Santuário da Peninha, local único na Serra de Sintra, tem sido escola de formação pessoal, cultural e científica de crianças e jovens. A degradação do sistema de abastecimento de água, bem como o isolamento deficitário (de portas, janelas e telhados), dificulta o funcionamento das infraestruturas de apoio e, por conseguinte, destas atividades. Em conjunto, este património de todos poderá voltar a estar ao serviço de todos.

Património natural e cultural: Desde o início da ocupação humana da Península Ibérica que a serra de Sintra foi um lugar privilegiado para os vários povos e culturas. É aí, entre o Atlântico, o Cabo da Roca e a serra, que se ergue o Santuário da Peninha, atravessando toda a história de Portugal, com uma localização geográfica e um património natural único.

História: A primeira capela, chamada de S. Saturnino (no sopé dos penedos onde se ergue a Peninha), é mandada construir por Pêro Pais, alferes-mor e porta-estandarte de D. Afonso Henriques.

Já no reinado de D.João III, é construída uma segunda capela, a 460 metros de altura – onde a lenda relata o aparecimento de Nossa Senhora a uma pequena pastora da região –, que dá origem ao Santuário da Peninha.

No século XVII, Pedro da Conceição, com o apoio do rei e das esmolas dos fiéis, constrói a Igreja que hoje existe e as casas dos romeiros de apoio aos peregrinos. Mais tarde o santuário virá a ser adquirido por António Monteiro (dono da Quinta da Regaleira) e dotado de novas infra-estruturas, passando depois para a tutela da Universidade de Coimbra.

Depois de muitos anos de abandono e esquecimento, o Santuário é hoje da responsabilidade do ICNF – Instituto de Conservação da Natureza e das Florestas – que, no início dos anos 90, dotou a Peninha de algumas infraestruturas de apoio, nomeadamente casas de banho e acesso a água potável.

Santuário da Peninha

Ao serviço da educação: Nos últimos anos, além do grande número de visitantes (pela sua situação geográfica, vista sobre o estuário do Tejo e a Costa até ao Cabo da Roca, património natural, cultural e arquitetónico), a Peninha tem tido um papel importante na missão do ICNF de educar para a conservação do património natural e cultural.

Neste contexto, são muitas as atividades realizadas com escolas, grupos de jovens, escuteiros e grupos de adultos, que contribuem simultaneamente para:

  • A conservação ambiental da flora e fauna única do ecossistema de Sintra;
  • A ocupação e manutenção do próprio edifício do Santuário;
  • A formação pessoal, social, científica e ambiental dos participantes;
  • Combater as ações de vandalismo.

Problemas: A dificuldade no acesso à água do poço e o isolamento deficitário (janelas, portas e telhas partidas, provocados por actos de vandalismo e tempestades) impedem a realização das actividades acima descritas.

Objetivo do projeto: Permitir a continuidade das actividades educativas (desenvolvimento e formação pessoal, social e ambiental) com crianças e jovens, através de intervenções específicas para utilização dos espaços de apoio.

Intervenções a realizar: Arranjo de portas e janelas; substituição da bomba e sistema de abastecimento de água; substituição de telhas partidas.

Valor necessário: 3.500,00 Euros, a que acresce um contributo pro bono especializado (voluntários ligados diferentes áreas profissionais), num valor total de cerca de 5.000,00 Euros.

Sobre o promotor

Nuno Archer de Carvalho

Nasceu em 1977 em Sintra, é casado e pai de duas filhas. Participou como voluntário na Associação Kti (Mucifal) e no campo de refugiados do Kosovo (Praia das Maçãs) e esteve desde então ligado a projetos de intervenção e animação comunitária e projectos educativos no âmbito do desenvolvimento pessoal e social na Alta de Lisboa (coordenação de tempos livres), Apelação (coordenação do projeto TEIP II). Neste contexto desenvolveu diversas actividades de carácter educativo ao ar livre e em colaboração com instituições públicas e privadas. Esteve na direcção da Associação Mais Cidadania até 2009. Coordena desde 2009 o projeto de Formação Humana do Colégio Pedro Arrupe. 

Daniela Vieitas

Nasceu em 1977 em Viana do Castelo. Trabalhou na área da Educação não Formal em São Tomé e Príncipe, enquanto voluntária da ONG-D Leigos para o Desenvolvimento. Em Portugal trabalhou com o grupo de Teatro do Montemuro, desenvolvendo diversos projectos de teatro comunitário.

Desde 2012 que colabora com o Colégio Pedro Arrupe. 

Atividades com jovens

Orçamento e Calendarização

Orçamento - Substituição e arranjo da bomba de água – 2.100,00 - Intervenção portas (fechaduras) e vidros para as janelas – 1.000,00 - Substituição de telhas e arranjos interiores no telhado – 1.200,00; - Equipamentos de apoio logístico – 700,00 Total – 5.000,00; Objetivo PPL – 3.500,00 Prazos Prazo para donativos - 60 dias (1/02/2014 – 1/04/2014) Início da intervenção - princípio de Abril.

Dom, 26/09/2021 - 09:58

Ter, 15/04/2014 - 10:18

Pagamento concluído

Os fundos angariados foram transferidos para o promotor

07/04/2014

Campanha terminou

Os fundos foram totalmente angariados com sucesso

Lançamento da campanha

05/02/2014

91 membros da comunidade PPL
apoiam esta campanha

  • 62
    novos apoiantes

  • 29
    apoiantes recorrentes

  • 0
    apoiantes anónimos

Conhece quem está a tornar este sonho realidade